. .

Cultura do seguro: uma necessidade

Cultura do seguro

Uma apresentação, que teve como palco a capital dos gaúchos no fim do ano passado, apontou as percepções dos moradores da região Sul sobre seguro e previdência. A pesquisa, desenvolvida pelo DataFolha e encomendada pela Federação Nacional de Previdência Privada e Vida, indicou que 46% dos sulistas pretendem contratar algum tipo de seguro neste ano. Os números representam um espaço de crescimento, mas alertam para algo inadiável: o esforço para instaurar a cultura do seguro e da previdência.

 

O estudo traçou o perfil em perspectiva nacional, mas evidenciou a nossa região, com um recorte que analisou o entendimento e a realidade dos sulistas. No Brasil, os planos de previdência privada correspondem a cerca de 9% da intenção de seguros Esses resultados, aliados a outros demonstrados, destacam como é relevante conscientizar a população que um plano de previdência aberto é uma solução que precisa ser adotada desde que a criança inicia o seu desenvolvimento.

 

A pesquisa considerou os diferentes produtos e um dos pontos evidencia que o seguro para bens materiais, como veículos, por exemplo, figura nos cuidados antes do zelo com a vida e o futuro. O fato ressalta a importância de instigarmos a contratação de algum tipo de proteção no segmento de pessoas.

 

Uma “radiografia” do setor serve de base para que todos os envolvidos atuem de forma a tornar esses produtos e serviços ainda mais acessíveis, seja em formatos ou mesmo na eficácia na comunicação. O mercado de seguros carrega confiabilidade e solução. Em todo o país, é possível encontrar opções adequadas, mas nem sempre as informações sobre a relevância dessa segurança estão claras para quem mais precisa.

 

Um dos pontos da pesquisa enfatizou os “planos vitalícios”, definidos pelos consumidores como “importantes”. Nesse sentido, há 110 anos, o GBOEX mantém expertise em pecúlio – modalidade de previdência de risco, de caráter vitalício, que assegura proteção financeira, em caso de falecimento do titular do plano, aos beneficiários indicados. O pecúlio não entra em inventário, sendo pago diretamente e sem incidência de imposto de renda. Trata-se de uma opção vantajosa para quem busca a segurança no presente e no amanhã. Além desse, outros planos são complementares, com proteção e benefícios. Mas seja qual for a escolha, a melhor sempre será ser previdente.  

 

Presidente da Diretoria Executiva do GBOEX, Ilton Roberto Brum de Oliveira